top of page
  • Foto do escritorZelmute Marten

Ônibus elétricos: financiamentos especiais do BNDES e soluções para as cidades

O ambiente da transição energética e da mobilidade elétrica está consolidando os ônibus elétricos como alternativas de soluções para os problemas de mobilidade das cidades. Ciente desta perspectiva, o BNDES está disponibilizando linhas de financiamentos especiais para a denominada renovação da frota. Neste momento as capitais brasileiras estão realizando estudos de padrões tecnológicos para consolidar a aquisição de veículos de transporte coletivo movido a eletricidade. Está decisão representará a diminuição da emissão de gases de efeito estufa no transporte da população nas cidades. O BNDES Finem investe em empresas e instituições públicas, para a produção ou aquisição de veículos utilitários, ônibus elétricos ou caminhões. O Subprograma Máquinas e Equipamentos Eficientes do Programa Fundo Clima indica a aquisição de máquinas e equipamentos eficientes nacionais novos credenciados no BNDES, cadastrado no Credenciamento de Fabricantes Informatizado – CFI do BNDES.


A multinacional alemã DIALLD, através da Bio Energy Holding Transport Group, é um provedor de soluções para sistemas de transportes inteligentes com transportes elétricos e tecnologias verdes, interface máquina humana, veículo digital e integração de sistemas, transportes inteligentes, cidades inteligentes, combustíveis de hidrogênio e serviços associados. A localização global em capitais como Berlim, Moscou e Helsinki, favorecem as certificações ISO 9001-2008 Certificado de Gestão e Qualidade, ISO 14001 Certificado Sistema de Gestão Ambiental, ISO/TS 16949-2016 – Sistema de Gestão da Qualidade para a Indústria Automotiva. O ciclo completo de serviços veículo – sistema de transporte integra conceito e desenvolvimento de desenho, engenharia, hardware, produção, teste e certificação, software, comissionamento e serviços de manutenção. Oferece a criação de novos empregos verdes através do transporte elétrico com trem de força elétrico configurável, ônibus de combustível de células de hidrogênio e a adaptação de ônibus a diesel e gás para bateria ou FC ônibus elétricos.


As especificações contemplam ônibus de entrada baixa, ônibus de piso baixo, sistemas de baterias para ambos os tipos de veículos, arquitetura inteligente de mobilidade com OPC. A experiência de linha motriz contempla cidade como Roterdã, Copenhagen, Berlim, Moscou, Singapura, Helsinki, entre outras. Os benefícios dos ônibus a hidrogênio prevê a autonomia de um ônibus com célula de combustível de até 400 km. Os exemplos de retrofitamento na conversão de ônibus a diesel para elétrico estão presentes na Alemanha, Malásia, Finlândia, compreendendo ônibus elétricos com células de combustível de hidrogênio (ATM). Entre os parceiros da DIALLD BIO ENERGY Transport Group estão marcas como Kamaz, LIAZ, GAZ, PAZ, KAVZ, URAL, RariTEK, Solaris, DAF, FUSO, Iveco, Mercedes-Benz, TMH, Volvo, Man, RSA Groupe, Volkswagen e Isuzu.


Os operadores de transporte são Mosgortrans, Göttingen Transport, Russian Railways. A empresa de pesquisas a Fraunshofer – Institute Fraunhofer. E o nível 1 a Joint Venture Continental. No Rio Grande do Sul a consultoria McKinsey projetou que o hidrogênio verde pode acrescentar R$ 62 bilhões ao PIB do Estado e criar 41 mil novos empregos. Até 2050 o hidrogênio verde poderá gerar um mercado de US$ 2.5 trilhões, podendo responder por aproximadamente 20% de toda a demanda de energia global. Estes dados estão entre as previsões do Hydrogen Council. Como o Brasil tem mais de 80% da sua matriz energética renovável, pode se tornar um dos grandes protagonistas deste mercado. Hoje o Brasil tem um dos menores custos marginais para geração de energias renováveis e isso é fundamental para barateamento do processo eletrólise. Fontes como solar, eólica, biomassa, biogás e etanol entram no rol de opções para geração de hidrogênio verde.


No Brasil a DIALLD está atuando juntamente à empresas privadas, municípios, consórcios intermunicipais, governos estaduais e a administração federal, buscando desenvolver parques tecnológicos de tratamento de resíduos nos territórios. A partir da constituição de Sociedades de Economia Mista ou Joint Venture de Co-Investimento, apresenta modelos de negócios para usinas de geração de energia renovável para localidades com destinação igual ou superior a 320 toneladas/dia de RSU, entrando com a tecnologia e o investimento por um contrato de Power Purchase Agreement (PPA) por um período de 15 anos. Os projetos realizam recuperação ambiental radical de aterros sanitários, transformando em área verde propicia à fauna e tratando todo tipo de resíduos existentes. Atuando em parceria com grupos de catadores para promoção de inclusão social e produtiva, gerando aproximadamente 300 empregos indiretos, 50 diretos, com capacidade de gerar 8 MW/h com 320 toneladas/dia de RSU.


O portfólio tecnológico engloba as seguintes atividades: construção de estações de tratamento de resíduos sólidos urbanos, com geração de eletricidade e água limpa; instalação de equipamentos para eliminação de resíduos médico e hospitalares com geração de energia; instalação de equipamentos de tratamento de águas residuais de precipitados viscosos na fabricação de combustíveis; construção de usinas de reciclagem de lixo sem desperdícios com a produção de combustíveis derivado de resíduos e eletricidade; construção de estações de biogás com produção de fertilizantes e eletricidade; instalação de equipamentos de pneus usados e reciclados, pontos para reciclar pneu ou betume para a geração de combustíveis e eletricidade; instalação de equipamentos de limpeza de óleo e lodo para petroleiras; construção de usinas de geração de energias limpa com base em diversos tipos de resíduos; instalação de baterias para armazenamento de energia solar e eólica; instalação de equipamentos para produção de água e hidrogênio potável a partir da água do mar; comercialização de geradores de água atmosférica; comercialização de ônibus elétricos; construção de usinas fotovoltaicas. Atividades em sinergia com a economia circular e a transição energética.

241 visualizações3 comentários
bottom of page